23 de outubro de 2018

É possível um problema tornar-se uma santa solução?

Engenheiros pesquisam caminhos para produção de gasolina a partir do CO² disponível na atmosfera!

Assessoria de Imprensa
Especialistas de uma empresa canadense de captura de CO2 e combustíveis limpos, a Carbon Engineering, apontaram que em um futuro não muito distante, a gasolina que compramos pode vir do dióxido de carbono proveniente da atmosfera e não da extração de petróleo – ainda a principal fonte de combustível fóssil. Segundo eles, ao remover o dióxido de carbono emitido na atmosfera e transformá-lo em combustíveis renováveis, é possível encontrar uma maneira escalável e econômica de realizar cortes profundos na pegada de carbono do transporte. 
"O dióxido de carbono gerado via captura direta de ar permite a produção de hidrocarbonetos neutros em carbono, o que é uma maneira de transformar fontes de energia livres de carbono de baixo custo, como a solar e a eólica, em combustíveis que podem ser usados para ‘descarbonizar’ o setor de transporte”, aponta o principal autor do estudo, David Keith, que é fundador e cientista-chefe da Carbon Engineering e professor de Física Aplicada e Políticas Públicas na Universidade de Harvard.
Segundo ele, a tecnologia de captura direta de ar funciona quase exatamente como parece: ventiladores gigantes deixam o ar ambiente entrar em contato com uma solução aquosa que capta e retém dióxido de carbono. Por meio de aquecimento e um conjunto de reações químicas familiares, esse mesmo dióxido de carbono é reextraído e pronto para uso posterior (como uma fonte de carbono para a fabricação de produtos químicos valiosos, como combustíveis, ou para armazenamento). E não se trata apenas de teoria. “As instalações da Carbon Engineering, na Colúmbia Britânica, no Canadá, já estão alcançando captura de CO2 para a geração de combustível”, diz Keith.
A ideia de captura direta de ar não é novidade, mas a implantação bem-sucedida de uma planta piloto de trabalho escalável e econômica é. Depois de conduzir uma análise completa do processo e analisar os números, Keith e seus colegas afirmam que realizar a captura direta de ar em uma escala impactante custará cerca de US $ 94 a US $ 232 por tonelada de dióxido de carbono capturado.
Esse ponto de preço é baixo o suficiente para usar a captura direta de ar para começar a lidar com os cerca de 20% das emissões globais de carbono que resultam de dirigir, voar e transportar pessoas e mercadorias. "A eletricidade da energia solar e eólica é intermitente. Podemos tirar essa energia diretamente de grandes instalações solares ou eólicas em 

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading