Selo de Excelência Abcic comemora 15 anos de existência com mais de 20 empresas certificadas

Programa nasceu com o objetivo de atestar a conformidade aos padrões de tecnologia, qualidade, segurança e meio ambiente do setor de pré-fabricados em concreto

Assessoria de Imprensa
Há 15 anos, os empresários da construção civil começaram a entender a importância do investimento em padronização, normalização e certificação. Com isso, a Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic) identificou uma necessidade de garantir que o setor apresentasse padrões de tecnologia, qualidade e desempenho, que fossem adequados e atendessem aos interesses da área. Foi assim que nasceu o Selo de Excelência da entidade, programa já consagrado pelo segmento por sua abrangência e poder de indução da qualidade e sustentabilidade setorial. 
Segundo a presidente executiva da Abcic, Íria Doniak, o Selo de Excelência tornou-se um indutor de desenvolvimento tecnológico, uma vez que sua adoção possibilita que as empresas se organizem para implementar novas tecnologias com base em dados existentes, o que torna o processo muito mais fácil. “Ele não é apenas um importante diferencial de competitividade para as empresas do setor, mas também um guia das melhores práticas em termos de normas técnicas e de segurança no fornecimento de produtos e serviços, além de uma garantia de contínuo aprimoramento nas diversas áreas das organizações”, explica. 
Níveis de certificação
Por meio de auditorias realizadas pelo Instituto Falcão Bauer de Qualidade (IFBP), o Selo de Excelência Abcic possui três categorias. A primeira delas, atesta que a empresa aderente atenda às normas técnicas e critérios básicos do setor no que tange, por exemplo, a segurança do trabalho e a integridade dos funcionários.
Já no nível II, são introduzidos conceitos de garantia de qualidade que, além de estabelecerem controles, asseguram também a forma pela qual os resultados obtidos pelos controles estabelecidos de fato são analisados e tratados. Por fim, no nível III é estabelecido requisitos ambientais, que se integram com o conceito de gestão, retroalimentando todo o processo.
“Dessa forma, o Selo auxilia no estabelecimento e organização das evidências, ajudando a criar esta cultura dentro da empresa”, destaca Íria. “Diversas associadas, que já eram referências de qualidade no mercado, ao aderirem ao programa, constataram que as regras contidas nele lhes permitiram ter uma visão sistêmica do processo, bem como economizar e aplicar adequadamente seus recursos”, complementa. 
A presidente da Abcic explica que a certificação possui uma série de normas e regimentos. Normalmente, a empresa candidata a obter o Selo de Excelência começa por estabelecer um controle de qualidade que evidencie, de forma objetiva e perante critérios de conhecimento de toda a sociedade, que a mesma se submeterá às avaliações da entidade. O tempo de conclusão deste processo varia der acordo com o preparo de cada empresa para atender aos requisitos, bem como nível pretendido à certificação.
Em 15 anos de história, cerca de 23 empresas produtoras de elementos estruturais pré-fabricados em concreto já foram certificadas. Além disso, o Selo passou por algumas alterações ao longo dos anos para acompanhar os avanços tecnológicos do setor.  A última reestruturação ocorreu em 2013 e estava relacionada à inclusão de normativas como a ABNT NBR 14861 (Lajes Alveolares de Concreto Protendido) e a ABNT NBR 15823 (Concreto Auto adensável). 
De acordo com a Abcic, uma nova atualização está prevista para o primeiro semestre de 2018 e irá incorporar a atualização da ABNT NBR 9062 e a inclusão da norma de painéis pré-moldados de concreto. “As atualizações são importantes porque um programa de certificação requer melhorias contínuas que levem em conta a evolução do segmento, a atualização das normas técnicas e as novas demandas de mercado”, finaliza Íria. 

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading