07 de novembro de 2018

Gestão Pública: como usar a tecnologia para combater a corrupção

Marcus Granadeiro
Ao acom­pa­nhar as pro­pos­tas dos can­di­da­tos, o dis­cur­so é ma­cro e não dá lu­gar a as­sun­tos so­bre o uso da tec­no­lo­gia no com­ba­te à cor­rup­ção. O te­ma In­te­li­gên­cia Di­gi­tal apli­ca­da por meio do con­cei­to de Mo­de­la­gem das In­for­ma­ções de Cons­tru­ção, ou BIM (Buil­ding In­for­ma­ti­on, jun­to a Mo­de­ling), jun­to a ou­tras abor­da­gens cor­re­la­tas, co­mo o VDC (Vir­tu­al Di­gi­tal Cons­truc­ti­on) e o Di­gi­tal Twin, são ine­xis­ten­tes no atu­al de­ba­te po­lí­ti­co, po­rém de­ve­ri­am es­tar nas man­che­tes, já que são tec­no­lo­gi­as efe­ti­vas na bus­ca por tran­spa­rên­cia, ges­tão e con­tro­le dos in­ves­ti­men­tos.

Quan­to mais sim­ples e di­re­ta for a apre­sen­ta­ção da pres­ta­ção de con­tas e mais fá­cil for sua aná­li­se, mais ci­da­dã­os po­de­rão en­ten­dê-las de for­ma di­re­ta, ou se­ja, mais ci­da­da­nia te­re­mos. Es­te é uma po­ten­ci­al con­tri­bui­ção do BIM, ain­da que não ex­plo­ra­da por nos­sos po­lí­ti­cos.

Ho­je, re­la­tó­rios ge­ren­ci­ais e con­tá­beis so­bre cus­tos e avan­ços de obra não são com­pre­en­sí­veis pe­la gran­de mai­o­ria da po­pu­la­ção. Es­ta fal­ta de cla­re­za po­de le­var a dú­vi­das so­bre o mo­ti­vo de um or­ça­men­to ter es­tou­ra­do. Er­ro de pro­je­to? Or­ça­men­to mal fei­to? Im­pon­de­rá­veis ine­ren­tes à en­ge­nha­ria? De­ci­sões ad­mi­nis­tra­ti­vas, po­lí­ti­cas ou ju­rí­di­cas que afe­ta­ram os cus­tos? Cor­rup­ção? Pa­ra re­so­lu­ci­o­nar es­ses ca­sos, há dis­cus­sões em tri­bu­nais de con­ta e en­tre os ges­to­res, as­sim co­mo de­nún­cias na im­pren­sa, mas, ge­ral­men­te, pou­cas con­clu­sões que per­mi­tem se­pa­rar o joio do tri­go.

Ago­ra, ima­gi­nem um pro­je­to em 3D as­so­cia­do com o pla­ne­ja­men­to da obra e um grá­fi­co do de­sem­bol­so fi­nan­cei­ro pla­ne­ja­do, tu­do ani­ma­do, mês a mês, com­pa­ran­do o pla­ne­ja­do com o re­a­li­za­do. Vou mais além: quão in­te­res­san­te se­ria se, na te­la do ce­lu­lar, de qual­quer ci­da­dão, ao pas­sar pe­la obra ou aces­sar o si­te do go­ver­no, po­der ti­rar uma fo­to do QR Co­de as­so­cia­do à obra e ob­ter es­sas in­for­ma­ções? Is­to é o BIM na di­men­são 5D, sem marke­ting, sem as­ses­so­ria de im­pren­sa, sem cus­tos adi­cio­nais, o “i” da in­for­ma­ção flu­in­do em prol da tran­spa­rên­cia.

Um ou­tro exem­plo é a apli­ca­ção do “Ir­mão Di­gi­tal” ou Di­gi­tal Twin. Tra­ta-se de uma có­pia di­gi­tal da obra, que re­ce­be da­dos de for­ma con­tí­nua do mun­do re­al por meio de sen­so­res. Te­rí­a­mos co­mo ana­li­sar da­dos de for­ma mui­to mais efi­caz, mo­ni­to­rar, en­ten­der e con­ser­tar pro­ble­mas an­tes que ocor­res­sem, além de pos­si­bi­li­tar si­mu­la­ções e pro­je­ções. O cus­to adi­cio­nal de cri­ar o ir­mão di­gi­tal ao se con­tra­tar a obra fí­si­ca é mui­to bai­xo. Sua cor­re­ta apli­ca­ção mu­da­ria o pa­ta­mar dos ser­vi­ços pú­bli­cos na sa­ú­de, tran­spor­te e edu­ca­ção.

Al­guns vão pen­sar que tu­do is­to é um gran­de de­va­neio, que o Bra­sil não tem nem o bá­si­co, lo­go não se de­ve pen­sar em so­fis­ti­ca­ções. Po­rém, são es­tas ino­va­ções que es­tão per­mi­tin­do fa­zer “mais com me­nos”, que es­tão re­vo­lu­ci­o­nan­do o mun­do e que per­mi­tem o pe­que­no fa­zer mais que o gran­de. Va­mos em fren­te!

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading