02 de agosto de 2019

Bombeamento de água subterrânea interfere na vazão de rios

Science Advances
Você sabe de onde vem a água que abastece sua cidade? Muitas vezes, achamos que a exploração de poços só acontece em áreas rurais ou afastadas, mas a água subterrânea pode incluir uma parcela considerável do abastecimento urbano, além de ser insumo na agroindústria, por exemplo.
 
Imagem: stanforddaily.com
 
Desafios na estimativa do impacto:
A exploração de poços, contudo, afeta diretamente o ciclo da água, podendo interferir na disponibilidade da água superficial, isto é, de rios e lagos, e também no regime de chuvas. Isso faz muito sentido quando vemos imagens clássicas do ciclo da água, mas contabilizar uma proporção direta é uma tarefa complexa.

Resultados das simulações:
O estudo abordou essa lacuna avaliando o impacto de 100 anos de declínio de águas subterrâneas nos Estados Unidos continentais sobre o comportamento de bacias hidrográficas simuladas. As perdas de armazenamento em subsuperfície reverberou em todos os sistemas hidrológicos, diminuindo o fluxo superficial e a evapotranspiração. Os declínios de evapotranspiração são focados em períodos limitados pela água e regiões de águas subterrâneas rasas. As perdas em vazão de rios, por sua vez, são generalizadas e se intensificam ao longo das redes de drenagem, muitas vezes ocorrendo longe do ponto de captação de água subterrânea. A abordagem integrada do trabalho ilustrou a sensibilidade das simulações da superfície terrestre aos níveis de armazenamento de água subterrânea e um caminho para avaliar essas conexões em modelos de larga escala.
 
Imagem: advances.sciencemag.org
 
Mas quanto?
Trazendo um resumo dos números: o bombeamento de águas subterrâneas no século passado contribuiu com até 50% no declínio da vazão em alguns rios dos EUA. A pesquisa foi liderada por Laura Condon, do departamento de Hidrologia e Ciências Atmosféricas da Universidade do Arizona e o co-autor Reed Maxwell, de Geologia e Engenharia Geológica da Escola de Minas do Colorado.

Imagem: advances.sciencemag.org
 
Os cientistas concentraram-se particularmente nas bacias dos rios Colorado e Mississippi e analisaram exclusivamente os efeitos do bombeamento de água subterrânea passado, porque essas perdas já ocorreram. O Serviço Geológico dos EUA calculou a perda de água subterrânea ao longo do século XX como 800 km³, ou 649 milhões de acres. Essa quantidade de água é o equivalente a cobrir os estados de Montana, Idaho, Wyoming, Nevada, Utah, Colorado, Arizona e Novo México, além da maior parte da Califórnia, com água a aproximadamente 30 cm de profundidade.

O efeito do bombeamento exacerbado:
Essa comparação indica que, porque todo esse volume de água foi retirado do subsolo, a hidrologia da superfície terrestre também é afetada, principalmente secando pequenos córregos alimentados pela recarga subterrânea. Tudo isso reflete em efeitos na vegetação e microclima. É também alarmante, visto que a água subterrânea é frequentemente o componente mais lento do sistema hidrológico terrestre para se recuperar de perdas.

Imagem: advances.sciencemag.org

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading