Visão sistêmica, características, país, engenharia e abrangência do portal

Capítulos 123456

Capítulo V:
Abrangência do portal da engenharia compartilhada e interdependência entre os tópicos


·     33 tópicos

·      248 capítulos

·      781 seções

·     6421 páginas

0 PREFÁCIO

1.  INTRODUÇÃO À VISÃO E À REDE SISTÊMICA DA ENGENHARIA

Visão Sistêmica; Modelagem e Interdependência por Processos de Trabalho; Rede de relacionamento compartilhada; País, Empresa e Participação do Engenheiro; Agências Reguladoras; Diagnóstico econômico e rumo do País; Diagnóstico da infraestrutura; Síntese dos tópicos; Interdependência entre os tópicos; Criando seu próprio tópico.

 

 

 

  • 05
  • 12
  • 122

 

 

 

2.  MODELAGEM E INTERDEPENDÊNCIA POR PROCESSOS DE TRABALHO (SMIDT)

A finalidade desse tópico é apresentar as principais ferramentas para que o leitor tenha condições de compreender os fundamentos do sistema para obter vantagem competitiva nos negócios por meio do “Sistema de Modelagem e Interdependência por Processos de Trabalho”.

 

 

 

  • 06
  • 19
  • 218

 

 

 

3.  SINCRONISMO ORGANIZACIONAL (SO)

A finalidade desse tópico é conceituar a empresa e o indivíduo na sociedade; Áreas: competência, conhecimento e desempenho; Matriz de responsabilidades: empresa e projetos; Fundamentos: excelência e qualidade; Balanço: patrimonial, social, ecológico e projetado; Dinâmica patrimonial e análise de indicadores de desempenho.

 

 

 

  • 04
  • 23
  • 228

 

 

 

4.  PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANO DE NEGÓCIOS (PEPN)

Tipos de estratégia; Ciclo de vida e formulação das estratégias; Cenários; oportunidades e ameaças; diagnósticos; Ciclo: intenção; avaliação; consolidação; implantação e operação de um projeto; Orçamento corporativo; Análise de investimentos; fluxo de caixa; exemplos.

 

 

 

  • 05
  • 26
  • 164

 

 

 

5.  RISCOS (R)

Global; País; Atuação nas áreas de competência da empresa, na sua criação e desenvolvimento de projetos; Abrangência: intenção, avaliação, consolidação, implantação e operação; Plano de contingência.

 

 

 

  • 06
  • 21
  • 128

 

 

 

6.  INDICADORES DE DESEMPENHO (ID)

Sistema de indicadores, integração e harmonização; Gestão; Desempenho das empresas pública e privada como um todo e nas suas áreas de conhecimento.

 

 

 

  • 06
  • 20
  • 142

 

 

 

7.  QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, TECNOLOGIA E CONTROLE TECNOLÓGICO (QMATCT)

Atuação nas áreas da empresa e dos projetos; meio ambiente, tecnologia e controle tecnológico; Atividades da equipe; Valorização e garantia dos processos de controle; Processos de aquisição, controle tecnológico e laboratórios; ISO: 9000-2004, 14000, 1004.

 

 

 

  • 07
  • 23
  • 235

 

 

 

8.  MEIO AMBIENTE (MA)

Ecologia, ecossistemas e ciclo de nutrientes; Energia e meio ambiente; Política internacional e nacional, constituição, legislação federal, estadual e municipal; Programas e requisitos; Responsabilidades, fiscalização e crimes ambientais.

 

 

 

  • 05
  • 28
  • 264

 

 

 

9.  GESTÃO AMBIENTAL (GA)

Implementando o sistema de licença ambiental; Avaliação e licenciamento ambiental; Termo de referências, relatórios; Impactos ambientais, passivos e ações mitigadoras; Ecoprodutos e reciclagem; Qualidade, indicadores de desempenho e monitoramento.

 

 

 

  • 08
  • 18
  • 220

 

 

 

10.   PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA (PAE)

Conceituação e valorização; modelo de gestão, planejamento estratégico, Projetos: preliminar, básico e executivo; atividades da equipe para a implantação; fluxograma da execução, consistência, fiscalização, desempenho e monitoramento; responsabilidade; qualidade; interdependência da qualidade, meio ambiente, tecnologia, controle tecnológico, dos participantes de um projeto; gestão dos riscos nos ciclos de intenção, avaliação, consolidação, implantação (construção), operação e contratação de projetistas, análise e revisão dos projetos de arquitetura e engenharia, riscos de orçamento e na formulação do fluxo de caixa; decreto lei 5.656 de São Paulo.

 

 

 

  • 11
  • 26
  • 168

 

 

 

11.   EMPREENDEDOR GESTÃO DE  PROJETOS (EGP)

Diretrizes do empreendedor, modelo de gestão; Atividades da equipe; Intenção, avaliação e consolidação; Implantação e operação; Planejamento e controle de projetos de engenharia e arquitetura; Viabilidade técnica e econômica; Monitoramento e indicadores de desempenho.

 

 

 

  • 04
  • 49
  • 272

 

 

 

12.   CONSTRUTOR (C)

Módulo de planejamento técnico e meio ambiente; Cronogramas, produções programadas e níveis de produção; Interdependência entre equipamentos, materiais e mão de obra; Composição técnica dos serviços; Canteiro de obras e acampamento; Módulo de planejamento dos custos; Riscos e contingência; Orçamento e BDI integrados.

 

 

 

  • 04
  • 44
  • 256

 

 

 

13.   PLANEJAR PARA CONSTRUIR (PC)

Organização e planejamento do trabalho; Modalidades de cronogramas, níveis de produção e produção em equipe; Interdependência dos processos construtivos e a mão de obra, equipamentos e materiais; Interdependência dos processos construtivos e o meio ambiente; Canteiro e acampamento de obras: arranjos e fluxogramas operacionais.

 

 

 

  • 11
  • 21
  • 370

 

 

 

14.   EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS (EI)

Visão sistêmica, com ênfase nas Normas Brasileiras de incorporação imobiliária e nas leis de condomínio; Plano e gestão, qualidade e fatores influenciáveis na comercialização; Edificações prediais público/privado e condomínios; Análise de investimentos de projetos e sua viabilidade; Implantação e monitoramento.

 

 

 

  • 12
  • 57
  • 322

 

 

 

15.   EMPREENDEDOR PÚBLICO - GESTOR DE PROJETOS (EP-GP)

Pessoas jurídicas; Bens públicos e empresas públicas; Estado brasileiro; Áreas de atuação; planejamento estratégico e indicadores de desempenho; abrangência e gestão; Lei de responsabilidade fiscal; instrumentos de controle interno e externo; Improbabilidade administrativa; Controle social; indicadores de desempenho; Licitações e contratos de obras públicas; Auditoria; Ciclo de vida de um projeto: comprometida e ideal; Estratégia para a criação e desenvolvimento de um projeto; Processos e interdependência dos participantes; Atividades dos participantes; Criação e desenvolvimento de um projeto: intenção, avaliação, consolidação, implantação e operação; Foco: na execução dos projetos de arquitetura e engenharia: fiscalização, gestão ambiental, qualidade, riscos; Procedimentos: técnicos, custos e BDI; Estudos de viabilidade; Plano plurianual; Concessões; Parcerias público privadas; implantação de um projeto.

 

 

 

  • 09
  • 27
  • 266

 

 

 

16.   AGÊNCIAS REGULADORAS E CONCESSÕES (ARC)

Plano nacional e estadual de desestatização; Agências reguladoras: nacional, estadual, e municipal; Concessões de serviços públicos e das obras públicas.

 

 

 

  • 06
  • 06
  • 112

 

 

 

17.   PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP’S)

O papel das parcerias, leis e decretos; Responsabilidades e pontos conflitantes; Projetos e seus riscos e da parceria; Aspectos jurídicos; Mapeamento dos principais serviços; Equilíbrio entre o setor público e o privado; Sociedade de propósitos específicos (SPE);  Planejamento e roteiro de implantação; Monitoramento e indicadores de desempenho.

 

 

 

  • 09
  • 18
  • 198

 

 

 

18.   ATIVOS: MANUTENÇÃO E  CONSERVAÇÃO (AMC)

Equipamentos, edificações e obras de arte; Vida útil e métodos de depreciação, incluindo custo horário em função do planejamento; Riscos; anomalias; diagnóstico técnico; Intervenções: preventiva, corretiva e industrial; Monitoramento físico-econômico dos projetos público e privado.

 

 

 

  • 14
  • 46
  • 330

 

 

 

19.   OPERAÇÃO DE PROJETOS (OP)

Matriz organizacional; Organização e pontos chaves na obtenção do produto; Bases da operação e dos ativos; Plano e gestão do meio ambiente, riscos e orçamento; Manutenção e Conservação; Avaliação do plano na empresa e nos projetos; Monitoramento e indicadores de desempenho.

 

 

 

  • 09
  • 41
  • 284

 

 

 

20.   LICITAÇÕES, PREGÃO E LEILÃO (LPL)

Regulamento geral e procedimentos; Licitação nacional e internacional; Gestão dos projetos de engenharia e arquitetura; Concessões e Parcerias Público-Privadas; Interdependência com os Tribunais de Contas: Federal, Estadual e Municipal.

 

 

 

  • 08
  • 45
  • 320

 

 

 

21.   AUDITORIA (A)

Direcionada para os serviços de engenharia, empresas, projetos público e privado; Fundamentos, procedimentos e alcance, vistorias físicas, exames de documentação; Qualidade e meio ambiente; Interdependência com os Tribunais de Contas: licitações, andamento dos contratos; Riscos, monitoramento e indicadores de desempenho.

 

 

 

  • 15
  • 52
  • 256

 

 

 

22.   RETRATO DO BRASIL (RB)

Democracia, aspecto político, monetário e equilíbrio das oportunidades; Divisão econômica de sua população; Política externa; Retrato social e econômico social; Evolução do emprego; Desenvolvimento produtivo; Exportação; Bolsa família; Documentação civil.

 

 

 

  • 04
  • 13
  • 68

 

 

 

23.   ENERGIA I MODELO INSTITUCIONAL, INVESTIMENTOS e PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Bases do novo modelo institucional, Investimentos PROINFA, BNDES, Leilão , Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Regulamentação, Empresas Governamentais e Não Governamentais, Síntese do Plano Nacional Estratégico – PNE – período de 2005 a 2030

 

 

 

  • 07
  • 10
  • 123

 

 

 

24.   ENERGIA II - ENERGIA RENOVÁVEL-UHE, CGH E PCH

Disponibilidades, panorama dos recursos hídricos, bacias hidrográficas, cenário tecnológico, como funciona uma hidrelétrica, barragem, reservatório, vertedouro, tomada d´água, condutos forçados, casa de força, fases de execução, turbinas do tipo Bulbo, Kaplan, Francis, Pelton, Usinas Plataforma, relatório preliminar, estudo de viabilidade, planilha de serviços, cenários de custos e das interferências, relação das HUE em operação, construção e outorga, central de energia menor do que 1.000 KV e PCH, em operação, construção e outorga;

 

 

 

  • 04
  • 13
  • 183

 

 

 

25.   ENERGIA III - ENERGIA RENOVÁVEL-EÓLICA, SOLAR E BIOMASSA

Eólica- introdução, potencial e especificações, potencial, monitoramento, aerogeradores, usinas em operação, construção e outorga; Solar-conversão, radiação solar, geração fotovoltaica; Biomassa-conceituação, rotas tecnológicas para conversão, expansão da produção agrícola, cana de açúcar, etanol, celulose, processos de conversão, usinas em operação, construção e outorga

 

 

 

  • 04
  • 6
  • 83

 

 

 

26.   ENERGIA IV - ENERGIA NÃO  RENOVÁVEL- UTE DO TIPO FÓSSIL, CARVÃO MINERAL E NUCLEAR

Gás Natural-produção esquemática, tipo de usina, eficiência, exemplos de usinas, principais gasodutos, evolução institucional; Óleo Diesel-evolução, esquema de produção a partir do petróleo; Carvão Mineral-esquema do processo de produção de energia  partir do carvão mineral, reservas brasileiras; Usinas do tipo UTE fóssil em operação, construção e outorga; Usinas do Tipo UTE biomassa-conceituação panorama, avaliação e geração, usinas em operação, construção e outorga; Usina Nuclear-produção, tipos de reatores, produção mundial, novos rumos, Angra I, II e III, reservas de urânios, usinas em operação e em construção, industrias para obtenção do combustível nuclear

 

 

 

  • 03
  • 6
  • 71

 

 

 

27.   ENERGIA V - PETRÓLEO E A PETROBRAS

Agência Nacional de Petróleo, gás natural e biocombustíveis, planejamento estratégico-demanda primária por tipo de energia, metas de produção de óleo e gás, plano de negócios, investimentos, segmentos de negócios, produtores independentes; Pré Sal-desafios e oportunidades, sistema de partilha; Dique Seco da Petrobras; biocombustível; etanol-produção no Brasil, principais produtores,

 

 

 

  • 05
  • 8
  • 128

 

 

 

28.   TRANSMISSÃO, DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA E LUZ PARA TODOS

Procedimentos de distribuição de energia elétrica no sistema nacional – PRODIST, Transmissão de energia e o PAC 1 & 2; Leilão de linhas e subestações; Gestão Ambiental; empresas que participam na distribuição de energia; informações sobre o Programa Luz para Todos;

 

 

 

  • 02
  • 6
  • 48

 

 

 

29.   SISTEMA MODAL DE TRANSPORTES

Visão Sistêmica, conceituação do sistema modal e transporte multimodal, evolução do sistema: rodoviário, ferroviário, aeroviário e aquaviário, sistema nacional de viação e subsistemas, atriz de transportes do Brasil , desequilíbrio e projeções até 2025, PNLT e o PAC, ações regionais do PAc

 

 

 

  • 03
  • 9
  • 99

 

 

 

30.   MODAL DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO, FERROVIÁRIO E MOBILIDADE URBANA

Situação atual da malha rodoviária, melhores e piores estradas, transporte rodoviário: ANTT. Concessões, PNLT e PAC. Transporte Ferroviário de cargas: situação atual, cargas, concessionárias, desafios, movimentação. Transporte ferroviário de passageiros de longo alcance; Transporte de Alta Velocidade (TAV). Mobilidade Urbana: considerações, identificação, simulações. Veículos de pequena capacidade. Transporte Urbano sobre Trilhos. Metrô e Trens, Sistema Metroferroviário.

 

 

 

  • 04
  • 11
  • 113

 

 

 

31.   MODAL DO TRANSPORTE AEROVIÁRIO, AQUAVIÁRIO E DUTOVIÁRIO

Transporte aeroviário: Ministério da Defesa e a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Infraero, movimentação de cargas e passageiros, modernização, expansão e qualidade. Transporte fluvial:  de mercadorias e passageiros, Transpetro, hidrovias, PNLT, Eclusas, planejamento estratégico. Portos, ANTAQ, cenários, movimentação, indicadores de desempenho, abrangência do sistema portuário, principais portos e dragagem. Transporte dutoviário:  malha, TRanspetro, gasoduto Brasil-Bolívia, TBG, traçado do Uniduto

 

 

 

  • 03
  • 10
  • 135

 

 

 

32.   HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Aspectos sociais, familiar e habitação de interesse social, Minha Casa, Minha Vida, leis 11.977 e 1.424, informações complementares da Caixa, Sistema Nacional de Habitação, Plano Nacional de Habitação, Fundo Nacional de Habitação, Assistência Técnica, Regularização Fundiária da Amazônia, Contexto Geral do MCMV, desafios , recursos, metas, estratégia e ciclos para a criação e desenvolvimento de um projeto, fatores influenciáveis na comercialização imobiliária, projetos de arquitetura e engenharia, caderno de encargos, Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade, planejamento técnico e de custos, formação BDI, implantação e monitoramento de um projeto.

 

 

 

  • 10
  • 27
  • 240

 

 

 

33.   SANEAMENTO BÁSICO e RECURSOS HÍDRICOS

O setor no Mundo e no Brasil; principais leis, decretos e resoluções para o desenvolvimento do saneamento básico e dos recursos hídricos, instituições, política e plano de saneamento básico e resíduos sólidos; programas e ações drenagem urbana e controle de erosões e resíduos sólidos, Agência Nacional de Água; infraestrutura hídrica, projetos de drenagem, irrigação e integração do Rio São Francisco com as bacias hidrográficas; saneamento básico, água, esgoto e resíduos sólidos; companhias e agências reguladoras federal, estadual e municipal de saneamento básico; concessionária e consócios de serviços públicos; água para todos e o PAC

 

 

 

  • 14
  • 13
  • 226

 

 

 



© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading