Malha que molda o concreto pode decretar fim das fôrmas

Informativo Massa Cinzenta Cimento Itambé
Robô fabrica a malha de aço que recebe o concreto e dispensa fôrmas
O segredo da invenção está na estrutura da malha de aço e nas especificações do concreto usado para preenchê-la. Os pesquisadores desenvolveram um concreto com características entre o autoadensável e o convencional. Para a trama da malha, foi usado um robô que prepara as armaduras de acordo com o projeto.
Dois professores estão à frente do trabalho: Fabio Gramazio e Matthias Kohler, que iniciaram o projeto no Future Cities Lab, em Cingapura, mas se transferiram para a ETH Zurich para finalizar a pesquisa. Na escola suíça, eles se juntaram a Norman Hack, gerente de projeto da equipe multidisciplinar. “A malha Mold (nome que os pesquisadores deram à nova estrutura) tende a mudar o futuro da construção”, afirma Hack.
Os pesquisadores asseguram ainda que a malha vai revolucionar a arquitetura das edificações, pois elas não precisarão mais ficar limitadas às fôrmas, que impõem desenhos retangulares aos prédios. “Na construção convencional, a armadura de aço é confinada a uma fôrma de madeira ou alumínio, que limita os edifícios a formatos retangulares. A malha Mold vai permitir formas inusitadas, praticamente sem limites”, enfatiza Norman Hack.
Economia de 40% no tempo da obra
Concreto tem especificações peculiares para preencher a malha e não vazar
Outra vantagem da nova tecnologia é a agilidade na construção. “Hoje, cada edifício que utiliza concreto é construído duas vezes. Primeiro é preciso montar as fôrmas e depois o preenchimento com concreto. Imaginamos que a malha Mold possa reduzir o tempo de uma obra em até 40%”, explica Hack.
Os pesquisadores asseguram que a nova tecnologia desenvolvida na Suíça é tão revolucionária quanto a impressão 3D em concreto. A justificativa é que a malha Mold permite construir edifícios altos, enquanto as impressoras 3D estão se limitando, no momento, a edificações térreas ou, no máximo, com três pavimentos.
A pesquisa foi desenvolvida dentro do núcleo da ETH Zurich que estuda a aplicação da robótica na construção civil. Criado em 2014, o departamento tem como objetivo revolucionar a arquitetura através da combinação de tecnologias digitais e sistemas de construção civil. O núcleo envolve 60 pesquisadores de seis diferentes disciplinas acadêmicas, entre elas engenharia civil e arquitetura.
Em 2017, a Conferência de Inovações em Concreto aconteceu em Oslo, na Noruega. No evento, os pesquisadores disseram que a aplicação da tecnologia está prevista para o projeto de um novo prédio que será construído dentro do campus da ETH Zurich, cujas obras devem começar no segundo semestre deste ano. Já está em desenvolvimento mais um robô para agilizar a produção da armadura, além de parcerias com concreteiras suíças para que produzam em grande volume o concreto com as características necessárias para preencher a malha.
Entrevistado
Arquiteto Norman Hack, PhD em fabricação digital pela Future Cities Laboratory of the Singapore-ETH Centre e pelo NCCR Digital Fabrication da ETH Zurich
Contatos
hack@arch.ethz.ch
info@dfab.ch
Crédito Fotos: NFS Digitale Fabrikation
Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading