Técnicas construtivas japonesas inspiram a criação de desenhos para painéis OLED

Facilmente integrado em paredes e prateleiras ou exibido sozinho em sua forma extraordinariamente simples, Kaneka OLED representa a evolução da luz, espaço e design - Kaneka OLED.

ArchDaily
O designer japonês Michiru Tanaka lançou uma nova parceria de produtos com o fabricante de iluminação Kaneka para criar um azulejo de aço inoxidável tanto como um OLED quanto como um espelho. Graduado na Musashino Art University, de Tóquio, Tanaka seguiu uma carreira em iluminação arquitetônica e seus projetos variam de instalações comerciais, iluminação em museus e design de produtos. Chamado "Kumiko", os azulejos provêm de uma fusão de inspirações, que vão desde a arquitetura japonesa tradicional e suas técnicas de carpintaria até a paisagem urbana de Manhattan.
Kaneka desenvolveu uma série de painéis ultra finos usando a tecnologia "OLED", com cada painel com uma espessura de 1mm. Cada um fornece 55K de luz, não emitido raios UV, gerando um amplo espectro de luz branca. A tecnologia inovadora dos painéis significa que eles podem fornecer até 50.000 horas de luz - cerca de 10.000 horas mais do que os LED padrão.
A luz difusa que os painéis criam elimina as sombras ásperas e pode criar um brilho interior atmosférico e suave quando instalado em diferentes configurações. A luz emitida também fornece "excelente renderização de cores", o que significa que pode revelar um espectro de cores mais abrangente comparado fielmente a uma fonte de luz natural.
Composto por módulos com suportes magnéticos, as telhas Kumiko são feitas de componentes de aço reflexivos formando diferentes desenhos. O nome "Kumiko" é derivado da antiga técnica de madeira japonesa de montagem de peças diferentes, sem pregos, criando padrões únicos. A técnica tem centenas de anos (600-700 dC) e tem sido transmitida por gerações de artesãos no Japão.
Os azulejos são projetadas para encaixar em paredes montadas na superfície como painéis, criando peças que acendem uma sala com luz difusa e convertem-se novamente para um espelho na ausência de iluminação, com uma espessura de 8,5 mm. As telhas podem ser dispostas como componentes de painéis maiores em grupos de 3, 6 ou mais.
Tanaka usou recentemente seus azulejos Kumiko para projetar uma instalação específica de "labirinto de espelho" com o arquiteto Thomas Kosbau da Ore Design + Technology, inaugurada em Manhattan, em Great Jones Studio, em junho.

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading