Brasil está entre os países mais evoluídos do mercado de impermeabilização

Segundo o IBI, o país compete a nível de igualdade com as potências mais avançadas do mundo nesta área, como Itália, França e Estados Unidos

Redação Engenharia Compartilhada
Você sabia que, atualmente, a umidade corresponde por 85% dos problemas encontrados nas construções brasileiras? Os dados são do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI) e apontam que, entre as principais patologias decorrentes da passagem indesejável de fluidos de um modo geral e, principalmente, de água e vapores, estão as manchas, oxidação, bolores e deterioração de peças em geral – o que, muitas vezes, pode trazer sérios riscos à saúde humana. 
“Para evitar esses problemas na estrutura e manter uma edificação segura, durável e saudável é necessário impermeabilizar partes da edificação com produtos que garantam a estanqueidade da mesma”, explica o engenheiro e diretor executivo do IBI Brasil, José Miguel Morgado. Segundo ele, a impermeabilização é considerada um dos principais sistemas de proteção, que garante aos seus elementos total segurança, tanto para a estrutura quanto para os usuários.
A solução, embora simples, muitas vezes é deixada de lado por motivo de contenção de gastos nas obras ou desinformação. O que nem todos sabem é que quando a impermeabilização é feita de forma correta, ou seja, dentro dos padrões de Normas Técnicas e com produtos adequados, seu custo gira em média de 2 a 3% do valor total da obra. “Porém, se os serviços forem executados depois de constatado alguma patologia, a impermeabilização pode representar de 10 a 15% do custo total da obra”, diz Morgado, reforçando a máxima de que, muitas vezes, o barato realmente pode sair caro.
Assim como em todas as etapas da construção de um imóvel, os serviços de impermeabilização também demandam a contratação de um projeto específico e a utilização de produtos com garantia, de acordo com a norma técnica NBR 9575. Para evitar surpresas, o IBI recomenda a contratação de um projeto específico de impermeabilização, elaborado por um profissional especializado, além do suporte de uma empresa aplicadora e uma equipe de fiscalização constante para garantir a qualidade do serviço.
A boa notícia é que, segundo Morgado, o Brasil nada deve aos países mais evoluídos nesta área, como Itália, França e Estados Unidos, e pode oferecer as melhores soluções ao mercado. “Somos detentores das unidades mais modernas na fabricação de mantas asfálticas, além de também entregarmos mantas de PVC, TPO e EPDM ao público consumidor. Já na área de membranas, que é a impermeabilização aplicada e moldada no local, contamos com membranas líquidas de alto desempenho”, finaliza.
Essas e outras novidades estarão em pauta durante o 15° Simpósio Brasileiro de Impermeabilização, de 04 a 05 de junho, em São Paulo. Promovido pelo IBI, o evento é uma oportunidade para a reflexão e disseminação das inovações tecnológicas que impactam o segmento e que estão disponíveis para atender à crescente demanda do negócio. O simpósio direcionado para engenheiros, arquitetos, tecnólogos, projetistas, consultores, peritos, profissionais do setor da construção civil e estudantes.

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading