09 de março de 2018

Drywall começa a ganhar espaço na construção e na decoração no Brasil

Prático, fácil de instalar e versátil, sistema gera menos resíduos, mas ainda esbarra no valor mais alto

Obra24horas / Revista Zap Imóveis
Já consolidado nos mercados norte-americano e europeu, o drywall começa a ganhar espaço na construção civil e nos projetos de decoração no Brasil. O sistema consiste em chapas de gesso acartonadas aparafusadas em estruturas de aço galvanizado. Parece algo complexo, mas é justo o contrário. O drywall está conquistando maior adesão justamente pela praticidade na instalação, pela fácil manutenção e pela versatilidade. Como ainda não ganhou muita popularidade, o preço ainda pode ser uma barreira no país, principalmente porque exige mão de obra especializada. Porém, a facilidade na instalação faz com que o tempo de serviço seja reduzido e a obra seja mais limpa, já que é um material que gera menos resíduos.
O drywall desponta como uma solução muito prática na construção e design de interiores. “Por ser um material leve, pode ser acrescentado na estrutura de um edifício sem grandes problemas”, afirma a arquiteta Vanessa Gomes, do escritório Mucam Arquitetura. Ela explica que o sistema construtivo por perfis metálicos e placas de gesso acartonado. “Ele tem como vantagens a fácil manipulação, armazenagem, agilidade e limpeza na execução, pois produz bem menos resíduos”, ressalta, para depois acrescentar que a alvenaria tradicional produz em torno de 20% de resíduos, enquanto o drywall produz apenas 5%.
A fácil manutenção e reparos também despontam na lista de pontos positivos, além da qualidade do acabamento liso e da facilidade para aplicar vários tipos de acabamento sobre eles, como pintura, textura, revestimento cerâmico e papel de parede. “O drywall é capaz de dar um ganho na área útil do ambiente por conta da espessura reduzida das paredes”, conta a arquiteta Ira Olivera. Justamente por ser mais fina do que as paredes tradicionais, o material é bastante indicado para divisórias. “E, mesmo assim, ele consegue garantir um bom isolamento acústico e térmico”, complementa a arquiteta do escritório Ira Oliveira Arquitetura e Interiores.
Na decoração, o método tem ainda muitas utilidades. “Pode ser utilizado para fechamentos, quando se quer esconder vigas ou pilares, criação de nichos, estantes, rebaixamento de tetos, compondo uma iluminação diferenciada, elaboração de painéis retos e curvos, entre várias outras possibilidades, criando efeitos incríveis”, diz Vanessa Gomes. O drywall também se revela uma ótima solução para ambientes comerciais. “Ele é muito indicado para esse contexto, sendo possível substituir paredes tradicionais de alvenaria ou blocos de gesso, vencer grandes vãos de forros, emoldurar pilares, esconder tubulações, isolar ambientes acusticamente e termicamente, com a praticidade e a rapidez necessárias ao empreendimento”, lista Ira Oliveira.
Na hora de escolher o tipo de drywall que será usado, é preciso estar atento ao ambiente em que ele será instalado. “Existem três tipos de placas disponíveis no mercado e que devem ser escolhidas de acordo com o seu uso. A standard (ST), mais comum, deve ser usada em área seca. A verde (RU) é resistente à umidade e pode ser utilizada em cozinhas e banheiros, porém não é indicada para fachadas porque não suporta intempéries. E a RF é resistente ao fogo e serve para áreas com risco de incêndios”, enumera Vanessa Gomes.
Uma preocupação diz respeito à capacidade de o drywall suportar peso. “As paredes são frágeis pra aguentar peso, como prateleiras, móveis e quadros, pois, em função de onde seja o furo, você pode pegar a parte que é só a chapa de gesso e o vazado, o que pode não gerar uma boa sustentação”, ressalta a arquiteta Claudé Pessoa, do escritório Claudé Pessoa Arquitetura e Ambientação. Porém, existem maneiras de tornar o drywall mais resistente para supotar mais peso. “Caso queira pendurar um quadro, deve-se usar parafusos e buchas específicos para esse material. Objetos mais pesados podem ser fixados nos perfis metálicos”, esclarece Vanessa Gomes. Mas, caso seja necessário sustentar objetos mais pesados, como uma televisão, é preciso ter o cuidado para fazer os devidos reforços no projeto. “Esses reforços são feitos com chapa de madeira ou aço fixados na estrutura metálica dos perfis”, acrescenta.

Leia na biblioteca do ENGENHARIA COMPARTILHADA:

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading