08 de novembro de 2019

“Interceptor” está limpando o plástico dos rios

Por Inova Social
No Cengkareng Drain, um rio que atravessa a megacidade de Jacarta, na Indonésia, toneladas de lixo plástico fluem para o oceano a cada ano. Mas agora um novo robô movido a energia solar chamado Interceptor está recolhendo esse lixo, para que ele possa ser reciclado.

O sistema foi projetado pela Ocean Cleanup, que passou os últimos quatro anos secretamente desenvolvendo testando a tecnologia enquanto continuava trabalhando em seu projeto principal – o System 001.

O problema do lixo plástico do oceano geralmente começa nos rios: todo ano, mais de 2 milhões de toneladas de plástico fluem dos rios para o mar, por uma estimativa da própria Ocean Cleanup. A maior parte desse lixo vem de rios da Ásia, em cidades onde a infraestrutura de reciclagem geralmente é inadequada. Cerca de 1% dos rios do mundo, ou 1.000 no total, são responsáveis pela maior parte do lixo que atinge o oceano.

E enquanto países e empresas tentam fazer mudanças mais focadas em como embalagens reutilizáveis e recarregáveis, proibição de embalagens descartáveis e sistemas de reciclagem que realmente funcionam, fica claro que resolver o problema nos rios é uma parte da solução de curto prazo.


“Quando pensamos em soluções, obviamente precisamos pensar de forma holística”, diz Nick Mallos, diretor sênior do programa Trash Free Seas da Ocean Conservancy. “Em primeiro lugar, precisamos avançar todo o processo, reduzir o consumo e a produção de plásticos de uso único, e precisamos coletar e reciclar melhor os plásticos, e garantir que os materiais voltem à cadeia de suprimentos para uma economia circular.

Mas então, para os materiais que ainda estão escapando e atualmente não estão entrando nesse sistema, a última linha de defesa é a limpeza. Quando se trata de limpeza, é muito mais eficaz começar nas praias e nos rios, do que tentar resolver o problema no meio do oceano.” A Ocean Conservancy, que realiza limpezas de praias, também está começando a trabalhar em um sistema de limpeza de rios no Vietnã.


A nova tecnologia foi projetada para ancorar no leito de um rio, fora do caminho dos barcos que passam. Como o sistema que a Ocean Cleanup projetou para o oceano, que usa uma grande barreira que bloqueia parte do rio para coletar plástico à medida que flutua, o Interceptor possui uma barreira flutuante que leva o lixo para o sistema. O dispositivo está posicionado onde a maior quantidade de plástico flui, e outro dispositivo pode ser colocado mais abaixo para coletar o lixo que pode escapar da primeira barreira.

Quando o lixo é retirado da água, um sistema autônomo o distribui em caçambas de lixo em uma barcaça separada, enviando um alerta aos operadores locais quando o sistema estiver cheio e pronto para ser levado para um reciclador. O sistema funciona com energia solar e, em um dia comum, pode extrair até 50 toneladas de lixo; dependendo das correntes, das marés e da quantidade de plástico em um determinado rio, a Ocean Cleanup estima que até 1000 toneladas podem ser coletadas.


O Interceptor pode ser ampliado com mais facilidade e, como é executado de forma autônoma, precisa de pouca interação humana. Além disso, ele também não exige que seres humanos classifiquem detritos potencialmente perigosos coletados na água. Ele foi projetado para ser produzido em massa e a Ocean Cleanup pretende implantá-lo em diversos rios poluentes ao redor do mundo, nos próximos cinco anos.

No momento, além do sistema que está funcionando na Indonésia, outro está instalado em um rio na Malásia e outros dois estão planejados para atuar no Vietnã e na República Dominicana. Mais outras versões provavelmente seguirão para a Tailândia, a costa oeste dos EUA e El Salvador.

 
 
Simultaneamente, a Ocean Cleanup continua trabalhando no System 001, que está coletando lixo plástico na Grande Porção de Lixo do Pacífico.

“Projetamos remover 90% do plástico oceânico flutuante até 2040 e, para livrar verdadeiramente os oceanos do plástico, precisamos fazer duas coisas: limpar esse lixo e impedir que ele volte para o oceano”, diz a Ocean Cleanup. “Ambos são necessários para alcançar essa missão, por isso continuaremos nossos esforços no oceano para garantir sua segurança e saúde no futuro.”
 
 

© 2013 - Todos os direitos reservados DIAGRAMA MARKETING EDITORIAL


Loading