Participação do exército em obras da FIOL e outros projetos da Valec são tema de webinar

Na última terça-feira, dia 23, André Kuhn, ex-diretor executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e atual diretor-presidente da Valec, empresa federal responsável pela construção de ferrovias, foi o convidado especial do Webinar No Trilhos. Recém indicado para ocupar o cargo pelo Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, Kuhn aproveitou o bate papo para falar sobre a parceria recém firmada junto ao Exército Brasileiro, que permitirá a participação da força terrestre nas obras de implantação da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol).

A corporação irá atuar no Lote 6 da Fiol, que fica entre as cidades baianas de Correntina e Santa Maria. Nesta primeira fase, o Batalhão de Engenharia do Exército executará cerca de 18 quilômetros da obra. “O Exército será responsável por gerir toda a execução da obra neste trecho, incluindo a definição da forma que os serviços serão executados e quais equipamentos serão utilizadas. A Valec, por sua vez, ficará responsável por supervisionar o projeto”, disse Kuhn, reforçando o plano de trabalho está sendo finalizado e deve ser iniciado em breve, após aprovado.

Com a nova parceria, a Valec espera conseguir executar a construção em um curto espaço de tempo, a fim de trazer mais desenvolvimento para a região. “O Exército é um grande coringa para a administração pública federal, pois contribui com o nosso objetivo de ter um volume significativo de obras em andamento e, assim, iniciar as concessões. Essa participação será essencial para o cumprimento das metas de conclusão da Fiol”, pontuou.

Vale destacar que, com o contrato, a força terrestre voltará a fazer parta da construção de uma grande ferrovia no Brasil após 25 anos. A última participação da corporação ocorreu na construção da Ferroeste, entre os anos de 1993 a 1995.

Um panorama sobre a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol)

Com aproximadamente 1527 km de extensão, a Fiol ligará o futuro porto de Ilhéus (no litoral baiano) a Figueirópolis (em Tocantins), ponto em que se conectará com a Ferrovia Norte Sul.

Entre os principais objetivos do projeto, estão: estabelecer alternativas mais econômicas para os fluxos de carga de longa distância, favorecer a multimodalidade, interligar a malha ferroviária brasileira e propor uma nova alternativa logística para o escoamento da produção agrícola e de mineração por meio do terminal portuário de Ilhéus (BA).

Atualmente, a obra está dividida em três trechos: a Fiol 1, que vai de Ilhéus (BA) a Caetité (BA), a Fiol 2, que vai de Caetité (BA) a Barreiras (BA), e a Fiol 3, que vai de Barreiras (BA) a Figueirópolis (TO). A atuação do Exército Brasileiro se dará no Lote 6, que integra a Fiol 2.

Fusão com a EPL

Durante o Webinar nos Trilhos, o diretor-presidente da Valec também comentou a possível fusão da companhia com a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que vem sendo estudada pelo Governo. “A perspectiva é que a fusão amplie ainda mais a nossa atuação e abra um leque de possibilidades que não se restrinja apenas à execução de obras. Com ela, a Valec deve absorver parte das atividades da EPL, como os estudos de viabilidade, prospecção de novos negócios, elaboração de projetos, entre outros. Essa mudança tem trazido uma grande motivação para a equipe da Valec, que se mostra favorável à implantação das melhores práticas de gestão”, finaliza.

O Webinar nos Trilhos é uma iniciativa da revista Ferroviária e faz parte das comemorações dos 80 anos da publicação.

© 2013 - Todos os direitos reservados - Diagrama Marketing Editorial