Logotipo Engenharia Compartilhada
Home Notícias As cidades do futuro têm dois caminhos possíveis: antropocêntrico ou ecocêntrico
Arquitetura II

As cidades do futuro têm dois caminhos possíveis: antropocêntrico ou ecocêntrico

ArchDaily - Fevereiro 2021 126 Visualizações
As cidades do futuro têm dois caminhos possíveis: antropocêntrico ou ecocêntrico

Imagem: As cidades do futuro têm dois caminhos possíveis: antropocêntrico ou ecocêntrico, Fotografía recortada. Imagem © Shutterstock - HelloRF Zcool
Escrito por Fabian Dejtiar | Traduzido por Vinicius Libardoni

Muitas das expectativas que projetamos para o futuro das cidades estão mudando, principalmente à medida que nos deparamos com os atuais, e cada dia mais urgentes, desafios globais—da crise climática a como viveremos juntos.

Ao especularmos sobre o futuro das cidades, não devemos deixar de mencionar o atual processo de crescimento populacional e urbano do planeta, especialmente sobre os possíveis impactos destes fenômenos no que se refere ao acesso à moradia digna, às oportunidades de emprego e à mobilidade urbana no contexto dos grandes centros. Em um intervalo de tempo de trinta anos, não apenas seremos quase 10 bilhões de pessoas vivendo simultaneamente sobre a superfície do planeta Terra, a grande maioria desta população estará concentrada em áreas urbanas e cada vez maiores—onde as consequências das pandemias que estão por vir possivelmente serão muito piores das que estamos testemunhando hoje.

Neste sentido, o tema central da Bienal de Veneza de 2020—transladada para 2021 exatamente por causa da pandemia—“como viveremos juntos?”, parece mais relevante que nunca. Dito isso, é evidente que o futuro se apresente aos nossos olhos hoje como um período de muitas incertezas, para o qual, ainda não encontramos todas as respostas. Fato é que, se há algo possível de se prever olhando para o futuro a partir do presente, é a necessidade de se construir edifícios e espaços urbanos para que estas pessoas possam viver.

Por outro lado, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) afirma que atualmente, o setor da construção civil sozinho é responsável por cerca de 30% de todas as emissões de gases de efeito estufa. Neste sentido, é previsível que a crise climática se agrave no futuro próximo, com desastres naturais cada dia mais frequentes e intensos. Dito isso, a pergunta que não quer calar é: qual será o papel das cidades do futuro, ou melhor, quais seriam os possíveis destinos para as cidades do futuro?

Aproveitando desta oportunidade, decidimos abrir a discussão e ouvir o que os nossos leitores tem a dizer sobre isso. Acompanhe a seguir a opinião de nossos leitores.

O impressionante número de respostas assim como o engajamento de nossos leitores evidencia a relevância da pergunta: como serão as cidades do futuro? Depois de ler e compilar todos os comentários enviados tanto por estudantes de arquitetura, arquitetos, engenheiros quanto por outros profissionais de áreas afins, podemos dizer que a grande maioria dos interessados aponta para uma só direção: precisamos urgentemente de mais espaços de diálogo para pensarmos juntos o futuro das cidades. A seguir, você encontrará diferentes pontos de vista trazidos para o debate por alguns de nossos leitores:

Ponto de vista 1: Antropocêntricas ou Ecocêntricas?
Potencialmente não existirá nenhuma cidade do futuro se não começarmos a mudar a maneira como olhamos para este futuro, devemos superar a ideia de que estas cidades devem ser apenas sustentáveis, precisamos conceber cidades que sejam também regenerativas e biofílicas: que além de verdes, as cidades do futuro devem incluir também espaços capazes de construir comunidades. Desde aspectos físicos e psicológicos à regeneração de toda uma sociedade; é preciso desenhar cidades para todos, eliminar e combater as lacunas sociais presentes nas nossas cidades hoje, projetar estruturas urbanas inclusivas e arquiteturas que respeitem o meio ambiente no qual encontram-se inseridas. Devemos pensar nas cidades do futuro a partir de um lado mais humano e não apenas do ponto de vista econômico. Graças à atual pandemia, passamos a revalorizar a importância do meio ambiente em nossa vida cotidiana. As cidades do futuro têm duas direções. Ou elas continuarão sendo antropocentricas—tais e quais são hoje—, ou assumirão um caráter ecocentrico, tudo dependerá de nós. – Estudante de arquitetura do México

Artigo relacionado
Da crise climática a como viveremos juntos: os temas mais relevantes da arquitetura em 2020

Como serão nossas cidades do futuro? Elas serão passivamente ativas! Através da prática da arquitetura seremos capazes de ativar as nossas cidades, de reconecta-las ao nosso ritmo biológico ou circadiano, este é o maior desafio que todos os profissionais da industria da construção civil devem enfrentar no futuro próximo, em como seremos capazes de prever os possíveis cenários que se desenham para o nosso futuro e assim, poder projetar melhores soluções para poder enfrentá-los. Eu diria que nossas cidades estão em um processo de evolução consciente de um habitat urbano construído para um habitat urbano cultivado. – Arquiteto da Venezuela

Artigo relacionado
Quais são as megatendências que estão remodelando o campo da arquitetura e a indústria da construção?

Na minha opinião, embora o futuro possa ser muito desafiador, as cidades do futuro não serão muito diferentes daquelas nas quais vivemos hoje. A não ser que as grandes potências econômicas cheguem a um consenso, que consigam unir forças em busca do ideal comum de combater o agravamento das mudanças climáticas (o que parece infelizmente improvável). Esse é o problema que provavelmente terá um maior impacto na aparência das nossas cidades no futuro, em nossa busca por construir edifícios e espaços mais humanos e que resultem em um menor impacto ambiental. – Opinião de um arquiteto da Letônia

Artigo relacionado
Como planejar e gerir a urbanização sustentável em cidades de rápido crescimento? Programa da ONU inclui Recife e Belo Horizonte

Enquanto as cidades dos países de primeiro mundo podem escolher avançar em direção a uma nova visão de futuro, mais segura, inclusiva e ambientalmente sustentável, a maioria das cidades em países de economias emergentes permanecerão reféns de suas tecnologias obsoletas e portanto, desprovidas de condições de escolha por mudanças. Considerando ainda o crescente aumento populacional que estes países testemunham no presente, a superpopulação das cidades somada a consequente difusão das soluções de autoconstrução continuarão a contribuir significativamente para o agravamento das desigualdades e da violência além do impacto ambiental dos processos de construção de nossas cidades. – Profissional da Colômbia

Ponto de vista 2: Construir ou não construir?
Acho que, embora as cidades do futuro possam ser muito parecidas com as cidades de hoje, elas serão melhores: a economia circular será a norma, não a exceção. As cidades se tornarão cada vez mais densas, muito porque as pessoas procuram viver próximas dos lugares onde há maior oferta de emprego e trabalho. A pesar disso, tanto os locais de trabalho quanto os espaços domésticos se tornarão mais flexíveis, adaptando-se às novas formas de vida e trabalho. Novos sistemas de transporte se estabelecerão, assim como os carros elétricos substituirão aqueles movidos a combustíveis fósseis (em alguns países isso já é uma realidade), o compartilhamento de veículos automotores se tornará o padrão e o transporte público se tornará mais sustentável e eficaz do que nunca. A construção civil, e isso não é de hoje, está passando por uma transformação em termos de materiais e processos, tornando-se cada vez mais sustentável e circular. – Arquiteto do México

Artigo relacionado
Uma nova ideia na arquitetura: não construir mais edifícios novos

As cidades do futuro serão literalmente construídas sobre as cidades do presente, processos de restauração e renovação serão a regra, estabelecendo um processo constante de atualização e adaptação dos nossos centros urbanos, os quais serão cada dia mais densos e eficientes. O processo de verticalização se acentuará, incrementando o aproveitamento do espaço e das infra-estruturas pré-existentes. Em contrapartida, para aqueles que procuram mais espaço e contato com a natureza, as paisagens rurais serão aquelas que sofrerão menos impactos e mudanças, onde a identidade cultural correrá menos riscos de desaparecer. Os métodos e sistemas construtivos desempenharão um papel cada vez mais importante no processo de construção de nossas cidades, assim como as novas tecnologias. – Arquiteto da Colômbia

Artigo relacionado
Seriam os subúrbios as cidades do futuro?

Os processos de planejamento, crescimento e expansão urbana podem até nos afastar da natureza, mas em contrapartida, a vida na cidade nos proporciona uma série de outros benefícios. Entretanto, o processo rápido e voraz de crescimento urbano pode resultar em um verdadeiro caos (que é exatamente o que eu, infelizmente, acho que irá acontecer); na verdade este é um processo que já está em curso, como podemos observar em cidades como Nairóbi, no Quênia, e Lagos, na Nigéria. Porém, quando tratamos da realidade das cidades do continente africano, imagino que testemunharemos algo muito parecido com o que aconteceu no Brasil das décadas de 60 e 70, quando passamos por um intenso processo de êxodo rural, quando nossas cidades estavam crescendo a um ritmo tão acelerado que era impossível absorver de forma digna todo o contingente humano que chegava naquele momento. Ao que tudo indica, é isso que irá acontecer na África. Este será o principal desafio dos futuros arquitetos e planejadores em contextos como este, os quais precisarão encontrar soluções práticas e também economicamente viáveis para lidar com estes fenômenos, ou então veremos os mesmos erros do passado se repetido no futuro. — Escreve entusiasta da arquitetura do Brasil

Artigo relacionado
Uma utopia para pedestres: a "cidades de 15 minutos"

Não sei como serão as cidades do futuro, mas acredito que estas cidades deveriam ser construídas considerando aquilo que já existe e funciona, a partir de um conhecimento profundo dos sistemas e infra-estruturas pré-existentes. No chamado terceiro mundo, no contexto das grandes cidades e até megacidades, deveríamos estar pensando em despovoá-las e dar início a um movimento de descentralização da população. Nossa geração carrega consigo uma enorme responsabilidade para com o futuro. Cabe a cada um de nós, arquitetos e arquitetas, mudar o foco das cosias, deixarmos de nos preocupar com a beleza das formas e dar mais importância para questões sociais e ambientais, para que possamos assim, construir cidades mais inclusivas e sustentáveis. – Arquiteto da Argentina

Sobre este autor
Fabian Dejtiar
Instagram: @ fabe.de